Rosa fala

Sobre liberdade

Por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres.

Liberdade é sempre a liberdade de quem pensa de modo diferente.

Quem não se movimenta, não sente as correntes que o prendem.

Sobre a condição da mulher

Quem é feminista e não é de esquerda, carece de estratégia.
quem é de esquerda e não é feminista, carece de profundidade.

Um mundo de lamúria feminino aguarda libertação. A mulher do pequeno camponês suspira à beira do colapso sob o fardo da vida. Ali, na África alemã, no deserto do Kalahari, permanecem os ossos das mulheres Hereros indefesas, que foram levadas pelos soldados alemães à pavorosa morte de fome e sede. Do outro lado do oceano, nos altos rochedos de Putumayo, perdem-se, inaudíveis para o mundo, gritos de morte de mulheres indígenas torturadas nas plantações de borracha de capitalistas internacionais. Proletária, a mais pobre dos pobres, a mais injustiçada dos injustiçados, vá à luta pela libertação do gênero feminino e do gênero humano do horror da dominação do capital.

Sobre o capitalismo

O capitalismo é a primeira forma econômica com força para propagar-se, uma forma que tende a estender-se a todo o globo terrestre e a eliminar todas as outras formas econômicas, não tolerando nenhuma outra a seu lado. Mas ele é, ao mesmo tempo, a primeira forma econômica incapaz de subsistir sozinha, sem outras formas econômicas de que se alimentar. Tendo tendência a tornar-se uma forma mundial, ele sucumbe por sua incapacidade intrínseca de existir como forma mundial da produção. 

Dez mil tendas, garantia total! Cem mil quilos de toucinho, cacau em pó, sucedâneo de café, pagamento à vista, entrega imediata! (…) Os negócios prosperam sobre ruínas. (…) A loucura só acabará e o espectro sangrento do inferno só desaparecerá quando os trabalhadores na Alemanha e na França, na Inglaterra e na Rússia finalmente acordarem da embriaguez, se derem fraternalmente as mãos e encobrirem o coro bestial dos fomentadores da guerra e o grito rouco das hienas capitalistas com o antigo e poderoso grito de guerra do trabalho: proletários de todos os países, uni-vos!

Sobre a escrita

Estou insatisfeita com a maneira e o estilo com que no partido se escreve a maior parte dos artigos. É tudo tão convencional, tão empolado, tão rotineiro […] Eu sei – o mundo é outro, e outros tempos pedem outras canções. Mas ‘canções’, justamente, e nossa escrevinhação quase nunca é uma canção, e sim um zumbido incolor e sem melodia, como o som da roda de uma máquina. Penso que isso se dá porque as pessoas, ao escrever, quase sempre se esquecem de lançar mão do que têm no mais profundo de si e sentir toda a importância e a verdade do que é escrito.

Ser otimista

No meio das trevas, sorrio à vida, como se conhecesse a fórmula mágica que transforma o mal e a tristeza em claridade e em felicidade. Então, procuro uma razão para esta alegria, não a acho e não posso deixar de rir de mim mesma. Creio que a própria vida é o único segredo.